Lançamentos imobiliários sobem 13% no país em 2013, aponta estudo

O mercado nacional de lançamentos imobiliários teve crescimento de 13% em 2013 em comparação ao ano anterior. Ele foi estimado em R$ 90 bilhões no Valor Geral de Vendas (VGV), de acordo com o Anuário do Mercado Imobiliário Brasileiro divulgado pelo Grupo Lopes. Rio de Janeiro e São Paulo se destacaram com 51% do montante, com R$ 33 bilhões e R$ 13 bilhões, respectivamente.

O VGV é a soma do valor que a venda de todas as unidades de um empreendimento a ser lançado pode gerar. Por exemplo, um prédio com 10 apartamentos com valor estimado de venda de R$ 100 mil cada tem um VGV de R$ 1 milhão. Isso não significa que o valor das vendas será de R$ 1 milhão, por conta de alterações dos preços durante as vendas.

“As mudanças na estrutura familiar e nos hábitos dos brasileiros impulsionam o mercado, pois o aumento do número de solteiros, casais sem filhos e pessoas da terceira idade mudaram e aumentaram a demanda, assim como a crescente preocupação com a mobilidade urbana. O Brasil possui a quinta maior população do mundo com 200 milhões de habitantes e vive o chamado bônus demográfico, período em que a população ativa é mais numerosa que a inativa, o que amplia significativamente a demanda por imóveis”, analisou a diretora geral de atendimento, Mirella Parpinelle.

Para o diretor da Lopes no Rio de Janeiro, Fábio Pacheco, o cenário na capital fluminense é positivo e a desvalorização dos imóveis não é uma hipótese a ser considerada pelo grupo.

“Desvalorização não vai existir. O que aconteceu nos últimos 4, 5 anos foi uma euforia. A gente já sabia que essa euforia do mercado não seria uma vida inteira. A gente só saiu da euforia para o otimismo e dentro do otimismo, temos que analisar as opções que temos de investimento”, afirmou Pacheco.

“A proporção dos mercados se deve ao tamanho da população e do PIB. Enquanto a RMSP tem quase 12 milhões de habitantes e PIB de R$ 471 bilhões, a RMRJ abriga 6,5 bilhões de pessoas e R$ 202 bilhões de PIB”, concluiu Parpinelle. Dentre as unidades lançadas no país, 79% são apartamentos com média de R$ 385 mil a R$ 5.560 por metros quadrados, 9% superior a 2012, que registrou R$ 5.110 por metro quadrado. A amostra é composta por 1.579 empreendimentos e 196 mil unidades.

A Região Metropolitana de São Paulo é o principal mercado brasileiro e concentrou 37% do VGV total lançado em 2013. Já o Rio de Janeiro, se destacou como o segundo maior mercado do país, com R$ 12,9 bilhões. São 206 empreendimentos compostos por 433 torres e 28.582 unidades.

“No caso de São Paulo, houve uma expressiva valorização do metro quadrado, devido ao aumento de lançamentos de unidades compactas (de até 49m²) em regiões nobres, que chegaram a 36% do total. Os apartamentos menores agregam serviços e facilidades que trazem mais conforto ao morador, por isso são cada vez mais procurados e valorizados pelo comprador. Obras de infraestrutura também contribuem com a expansão do mercado imobiliário”, completou.

Pacheco acrescentou ainda que no mês de maio há sete lançamentos previstos e que a taxa de inadimplência não é um problema para as incorporadoras. Segundo ele, há dois perfis de compradores: quem compra para morar e o investidor, que se divide em profissional e patrimonialista.

“Temos uma cultura patrimonialista muito forte. O lançamento é uma poupança forçada. Além do patrimônio, o investidor tem chance de lucrar com ele [imóvel]. A expectativa é que 2014 seja melhor que 2013 em relação a lançamentos, e vendas no mesmo patamar.  Com tranquilidade temos 3 a 4 anos a frente de desenvolvimento de mercado”, garantiu.

Ele afirmou ainda que as mudanças estruturais na capital fluminense por conta dos grandes eventos previstos como a Copa e as Olimpíadas alimentam o potencial de crescimento do mercado imobiliário no Rio de Janeiro. Para ele, Barra da Tijuca e Recreio, na Zona Oeste, Centro e Zona Norte são as áreas com mais possibilidade de desenvolvimento.

“Quem for investir, tem opções para diferentes consumidores. O legado desses grandes eventos, o transporte e a segurança trouxeram de volta bairros que estavam esquecidos, como a Tijuca, por exemplo. A população da Zona Norte é uma população que gosta de viver lá, com mobilidade e segurança, eles não têm porque sair de lá”, explicou.

Homens compram mais

Segundo a Lopes, a pesquisa apontou que a maioria dos clientes no Rio de Janeiro é composta por homens (67%) solteiros (49%), com idade média de 39 anos. Segundo o estudo, 70% deles possuem idades entre 25 e 49 anos.

 

Fonte: g1.com

Publicado em:

5 comentários

  1. My developer is trying to convince me to move to .net from PHP. I have always disliked the idea because of the costs. But he’s tryiong none the less. I’ve been using WordPress on various websites for about a year and am nervous about switching to another platform. I have heard good things about blogengine.net. Is there a way I can transfer all my wordpress posts into it? Any help would be really appreciated!

  2. I?¦ll immediately grab your rss as I can’t in finding your email subscription hyperlink or e-newsletter service. Do you’ve any? Please allow me recognise so that I may just subscribe. Thanks.

  3. I discovered your blog site on google and check a few of your early posts. Continue to keep up the very good operate. I just additional up your RSS feed to my MSN News Reader. Seeking forward to reading more from you later on!…

  4. Hello there, simply changed into alert to your blog via Google, and located that it’s really informative. I am gonna watch out for brussels. I’ll be grateful for those who proceed this in future. Lots of people will probably be benefited from your writing. Cheers!

  5. Hi there, just became alert to your blog through Google, and found that it’s really informative. I’m gonna watch out for brussels. I will appreciate if you continue this in future. Numerous people will be benefited from your writing. Cheers!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *